Estudo revela que os homens fiéis são mais inteligentes

Estudo revela que homens fiéis têm um QI mais elevado

De acordo com um estudo, a fidelidade masculina está relacionada com um QI alto, ou seja, o nível de inteligência do indivíduo. A monogamia masculina é, portanto, uma consequência da evolução que leva aos homens mais inteligentes  a valorizar a exclusividade sexual.

O especialista em psicologia evolutiva da Escola de Ciências Econômicas de Londres, Satoshi Kanazawa, argumenta que a fidelidade pode ser dada em grande parte pela inteligência. “Os homens inteligentes estão mais propensos a valorizar a exclusividade sexual”, diz ele.

Kanazawa determinou com seu estudo que os homens que traem suas esposas ou namoradas têm QI mais baixo. O estudo não está somente focado na lealdade, mas um estudo abrangente sobre o QI, e como isso está relacionado com conceitos e atitudes cotidianas como religião, relacionamentos ou idéias políticas.

Homens fiéis à suas parceiras, liberais e ateus são mais inteligentes, segundo o estudo

Homens que traem suas esposas ou namoradas tendem a ter QI mais baixo, o especialista em psicologia acredita que os homens mais inteligentes têm menos aventuras e dão mais importância à estabilidade do relacionamento do que aqueles com um QI mais baixo.

Assim, de acordo com o especialista, os homens que se identificam como liberais, ateus e fiéis em relacionamento possuem coeficientes intelectuais mais elevados do que os definidos como crentes.

Para chegar a essa conclusão, ele realizou um extenso estudo no qual ele relatou comportamentos sociais e o nível de inteligência dos homens de diferentes idades.

O psicólogo analisou dois principais bancos de dados norte-americanos: o Estudo Longitudinal Nacional de Saúde do Adolescente e da Pesquisa Social Geral, que medem os comportamentos sociais e QI de adolescentes e adultos.

Com isso, o autor observou que as pessoas que dão importância à fidelidade sexual em um relacionamento apresentaram maior coeficiente intelectual, e concluiu que o comportamento “fiel” do homem mais inteligente poderia ser um sinal da evolução da espécie.

Como homens primitivos

Os homens eram sempre “relativamente polígamos”‘, algo está mudando em assumir um relacionamento monogâmico, uma ‘novidade evolucionária’, ao contrário do homem primitivo, que era propenso a promiscuidade. Assim, esta relação entre inteligência e monogamia é melhor compreendida ao olhar para o passado evolutivo.

Como o objetivo biológico masculino primal era expandir seus genes, homens primitivos costumavam ter múltiplas parceiras. Ao longo dos anos, as pessoas mais inteligentes têm adotado práticas mais novas e, conseguentemente, se adptando à evolução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *