Temer declara guerra à Globo e canal pode ser retirado do ar

De acordo com informações do colunista Leandro Mazzini, do jornal ‘O Dia’, o presidente Michel Temer teria tentado uma trégua com a Globo, mas ela não deu certo. Em reportagem publicada nesta segunda-feira (17), o jornalista de ‘O Dia’ diz que o presidente decidiu agora entrar em guerra contra o maior grupo midiático do Brasil.

Michel Temer trava batalha para tirar concessão da Globo

O presidente da República aproveita o recesso parlamentar não apenas para se defender do que pode ser um inquérito que pode levar ao seu afastamento do cargo.

Ele estaria também tentando encontrar aliados em seu luta contra a Globo. Muitos deputados já falam que existe um número respeitoso que pede a concessão do conglomerado midiático. Antes de começar a batalha inusitada, Michel Temer teria enviado o Ministro-Chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, conversar com os diretores da Globo, que estariam pegando muito no pé do seu governo. Como o diálogo não prosseguiu, Temer vai trabalhar agora para derrubar o Grupo Globo.

Uma das medidas que já foi tomada foi solicitar o pagamento de dívidas que a emissora tem com a União, como empréstimos que envolvem o BNDES. O canal, de qualquer forma, apenas pode ser retirado do ar, quando sua concessão acabar. Isso é mais perto do que parece. Ela é válida até o dia 1º de Janeiro de 2018. Ou seja, apenas mais cinco meses.

Record, que defendeu Temer, faz reportagem dizendo que Globo pode parar na Lava Jato

O primeiro passo pode ter ocorrido já nesse domingo (16), quando a rival da Globo, a Record TV, exibiu uma reportagem dizendo que Antonio Palocci, ex-Ministro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, colocaria o Grupo Globo em sua delação. As suspeitas que a matéria coloca é que a empresa de comunicação da família Marinho, assim como empreiteiras, alimentícias e outras, também teria participado do escândalo de corrupção da Lava Jato.

A Record TV, apenas para lembrar, chegou a ser acusada de defender Michel Temer, dando espaços maiores para suas defesas e escolhendo especialistas que pensam parecidamente com o presidente da República.

Fonte: Blasting News